• Pablo Morbiducci

Atração de empresas para o Bioparque prova que não há fronteiras para inovação


Quando se trata de inovação, não existem fronteiras territoriais. No Biopark, a missão de estimular negócios disruptivos por meio de diversos benefícios tem atraído a atenção de empresários de diversas regiões do Brasil e também de outros países. Somente no primeiro bimestre de 2021, 14 novas empresas e startups dos estados de São Paulo, Paraná, Piauí, Ceará e Rio Grande do Sul e também de outros países, como Chile e Peru, aderiram ao Ecossistema. No total, já são mais de 100 empresas operando lá.

A possibilidade de acessar o mercado brasileiro foi um dos fatores que levou a empresa chilena Nodust a ingressar no Biopark no início do ano. “Estamos focados em mercados importantes, como Chile, México e Argentina e este ano decidimos expandir nossa presença para o Brasil, pois vemos o país com grandes expectativas e acreditamos que o Bioparque poderá ajudar no acesso a esse mercado”, explica Pablo Morbiducci, fundador da empresa e que atualmente também atua no Vale do Silício, nos Estados Unidos, onde desenvolve novas tecnologias.

A Nodust criou um dispositivo eletrônico que otimiza o sistema de ar condicionado das cabines de veículos pesados, reduzindo a presença de vírus e materiais tóxicos, o que auxilia na prevenção de doenças respiratórias para os operadores. É uma das 19 empresas internacionais presentes no Bioparque e que recebem todo o auxílio necessário para a instalação, desde documentação, abertura da empresa no Brasil, até curso de português.

Para a Global Eletronics, de Guaíba, no Rio Grande do Sul, entre os diferenciais encontrados no Ecossistema estão a mão de obra qualificada e a possibilidade de interagir com outros moradores. “No Bioparque encontramos um ecossistema muito saudável. Já identificamos várias empresas com potencial de associação e também percebemos que aqui existe um excelente local de trabalho, com muitos cursos e universidades ”, explica Nickel Strider, CEO da empresa.

Há dez anos no mercado, se dedicam à fabricação de placas e produtos eletrônicos, além de assessoria abrangente e diagnósticos de competitividade para seus clientes, desde pequenas empresas até grandes multinacionais. A empresa estuda a montagem de uma linha de produção de seus componentes na Companhia.

Do outro extremo do país, de Fortaleza, no Ceará, veio a Aironnet Systems, que oferece soluções em pesquisa, inovação, robótica e inteligência artificial. Foi o agronegócio regional, principalmente a oportunidade de desenvolver soluções para a suinocultura, que atraiu a empresa. “A proposta de ter um espaço, networking com outras empresas, tudo follow-up / mentoring, além de outros benefícios em troca de crescimento, nos motivou muito a entrar no Bioparque. Aqui vamos trabalhar com a automação do mercado de suínos por meio de inteligência artificial e RFID, contribuindo para o desenvolvimento da região ”, explica Marcelo Laranjeira Melo, diretor geral da empresa.

Mas também há lugar para quem está ao lado. É o caso da Mann Tecnologia, que fica em Novo Sobradinho, distrito de Toledo, a poucos quilômetros do Bioparque. A empresa está trabalhando no protótipo de um compressor booster sem óleo, produto ainda não fabricado no Brasil capaz de atender a diversos tipos de demandas. “O Bioparque nos dá uma relação diferenciada com o cliente, com mais credibilidade e visibilidade. Com a presença aqui, esperamos um crescimento expressivo em 2021 ”, comenta Fernando Libermann, proprietário da empresa.

Segundo Luiz Donaduzzi, fundador e presidente do Biopark, o objetivo é gerar "densidade" de negócios. “Olhamos para o potencial das empresas, principalmente a capacidade de inovar e criar empregos”, destaca. Programa de residência Por meio de um Programa de Residência, as empresas Bioparques e startups têm acesso a diversos benefícios. Entre eles está a estrutura física em espaços que vão desde salas exclusivas para escritórios, laboratórios, áreas industriais ou coworking, de acordo com a necessidade de cada negócio, com isenção de aluguel por um ano. Além disso, as empresas são bem-vindas e apoiadas por doações para que possam se desenvolver, crescer e ter sucesso de forma viável. A lista de benefícios completa o acesso ao know-how em temas como qualidade e gestão; tutorias; plataforma de rede; visibilidade; treinamento e seleção de mão de obra qualificada; acesso a fontes confiáveis ​​e seguras de financiamento; e acesso a serviços com títulos negociados. “Os benefícios que oferecemos para atrair e reter empresas no Bioparque refletem nossa experiência como empreendedores há mais de 40 anos. Coletei os principais pontos que afetam o desenvolvimento de uma empresa e os transformei em uma série de benefícios ”, enfatiza Donaduzzi. Podem fazer parte do Programa empresas de todos os portes, startups ou já estabelecidas que atuam de forma inovadora nas áreas de Saúde, Tecnologia da Informação e Agronegócio. Mais informações no site www.biopark.com.br/empresas e a equipe do Biopark entrará em contato com você. “Nossa expectativa é terminar 2021 com 300 empresas no Bioparque, das quais 40 devem ser internacionais”, finaliza Luiz Donaduzzi.

0 visualização0 comentário
Patent Pending 2021.png